domingo, 27 de setembro de 2009

Superliga 09\10: FCPorto 1-0 Sporting

Sem maioria absoluta mas com os 3 pontos!
Bastaram 2 minutos para que o clássico se resolvesse. Nessa altura o filme que ontem teve como palco de rodagem o Estádio de Dragão prometia ser um verdadeiro triller de terror para a defesa sportinguista, mas a ineficácia portista conjugada com uma certa atitude sadomasoquista do FCPorto pintaram uma película que não reflectiu o que se passou no encontro.

Num dia de reflexão o FCPorto entrou no encontro com as ideias bem definidas. Hulk foi o cabeça de cartaz no ataque à vitória, muito bem secundado pelos seus conselheiros de ataque Falcao e Belluschi. O argentino regressou à titularidade e em boa altura para a equipa. Jesualdo Ferreira viu e muito bem que o Sporting poderia fracassar pelo regressado Grimi, colocando Hulk nas suas zonas de acção. O brasileiro fez questão de provar, ainda na madrugada do encontro, que o defesa esquerdo adversário estava longe desta corrida. E logo aos 2 minutos Polga derrubou Hulk à entrada da área (ficou amarelo por mostrar ao central), Belluschi executou o livre com perfeição e Falcao, numa cabeçada fantástica, marcou o seu 5º golo na prova. Estava desfeito o nulo e encontrado o vencedor do encontro. O FCPorto não precisou de muitas sondagens na área adversária para encontrar os 3 pontos.
Os primeiros 15 minutos do encontro foram um verdadeiro festival de ataque portista, que só eram travados por faltas dos jogadores sportinguistas. Hulk ia fazendo o que queria da defesa adversária, mas o 2º golo não aparecia. O Sporting só apareceu à passagem da meia hora com um remate à barra da baliza de Helton. A partir daí o FCPorto deu maior controlo de jogo ao adversário, tentando ganhar maioria absoluta no encontro através de transições ofensivas rápidas. E esse tal golo poderia ter surgido por volta dos 40 minutos do primeiro tempo, mas Abel derrubou Hulk quando este ia isolado para a grande área (ficou cartão vermelho por mostrar ao defesa do Sporting).

Na segunda parte o FCPorto entrou melhor do que tinha acabado o primeiro tempo e dispôs de nova grande possibilidade para marcar o segundo tento. Polga derrubou Hulk na grande área, foi expulso do encontro, mas Falcao não aproveitou a oportunidade para bisar no encontro. A partir deste momento o encontro mudou e, ironicamente, para pior para os da casa. Alguma intranquilidade e falta de concentração colocaram um ponto de interrogação no resultado do encontro até ao fecho das urnas. Hulk baixou muito de produção, Mariano nunca apareceu e Meireles fisicamente decaiu muito. Tudo isto prejudicou o controlo de jogo por parte do FCPorto, que foi dando hipóteses ao adversário de acreditar num desfecho que nunca mereceu. Tomás Costa, Valeri e Farías entraram no encontro, mas não conseguiram fazer tranquilizar tudo e todos, sobretudo os adeptos.

O jogo não terminou sem Veloso ser expulso. Paulo Bento arranjou nesta altura uma boa oportunidade para fugir por entre a chuva sem se molhar. A sua atitude no final do encontro, justificando a arbitragem como desculpa para a derrota, serviu muito bem aos seus intentos, pois seria muito difícil justificar uma derrota num jogo em que só não perdeu por 3 ou 4 golos porque a ineficácia portista na primeira parte e a falta de concentração no segundo tempo assim o impediram. Só um pequeno aparte: realmente o Veloso tem muito jeito para ser modelo, aquele desfile para fora do relvado foi muito bom. Ele que durante o aquecimento provocou os adeptos portistas com sorrisos e gestos.
No fim do encontro fica a sensação que poderíamos sair do jogo com um resultado maior. Os 3 pontos ficaram e muito bem em nossa casa. Belluschi, Falcao e Hulk foram os melhores em campo. O colombiano continua a mostrar que é um verdadeiro homem de área, mas que sabe muito mais que fazer golos: recebe muito bem a bola e sabe o momento em que a deve passar. Belluschi deu ao meio campo criatividade e qualidade nas transições e Hulk fulminou completamente a defesa do Sporting na 1º parte, está na origem do golo, sofre o penalty e criou grande parte dos lances perigosos da equipa.

Uma palavra para os adeptos que quase lotaram o Dragão. O apoio de todos nós foi fundamental para a vitória. Que o mesmo aconteça na quarta frente ao Atlético de Madrid.

Marcador: Falcao

Super Dragão: Falcao

4 comentários:

dragao vila pouca disse...

Os mesmos defeitos de sempre.

Entramos a matar, fortíssimos, dominadores, criamos três oportunidades, marcamos um golo tinhamos o adversário nas cordas e depois? Baixamos linhas, relaxamos, começamos a facilitar, a perder bolas fáceis e claro, os Calimeros arrebitaram, equilibraram e nunca mais fomos a mesma equipa do primeiro quarto de hora.
Na segunda-parte, mais do mesmo: às costas de um Super-Hulk, entramos novamente fortes, eles tremeram, há penalti, podiamos matar o jogo, falhamos e mesmo contra dez, nunca fomos capazes de controlar, dar três toques seguidos, ter tranquilidade e foi sofrer até ao fim.

Não havia necessidade.

Eu não tenho, nem quero fazer, comparações com os vermelhos, porque a minha preocupação é o F.C.Porto. Um Porto que treme como varas verdes nos lances de bola parada; um Porto incapaz de ter bola e controlar o jogo; um Porto em que o treinador se baralha e não faz as opções correctas. Ontem, se queria controlar o meio-campo, porque não meteu o Guarín - titular nos últimos jogos -, mais capaz de ter bola, que o trapalhão do T.Costa incapaz de dar dois toques seguidos e muito faltoso?

Ganhamos um clássico, frente a um rival na luta pelo título e isso foi o mais importante, mas bastava ver as reacções dos adeptos no final do jogo, para sentir a falta de confiança e a preocupação com o rendimento da equipa.

Não há pachorra para o Paulo Chorão.

Um abraço

Gaspar disse...

Começámos à Porto, sempre a atacar, e ainda não tinham passado os sessenta segundos e Falcao já tinha criado perigo.
Grande cabeceamento de Falcao para o golo.
Depois a equipa foi diminuindo o seu nível de jogo, até ao início da segunda parte.
Pena o pénaltie.

Nota: achei um jogo muito violento, mas é um clássico.

Gaspar

Vitor Daniel disse...

Entramos a ganhar mas depois adormecemos e facilitamos principalmente no meio-campo, apesar disso o mais importante foi a conquista dos 3 pontos rumo ao Penta Campeonato.

Quanto ao Super Dragão para mim foi Hulk, quanto a Falcão fez também um grande jogo marcou o golo mas teve o azar de sair por "lesão", por isso e por Hulk ter levado muito o Porto as costas penso que Hulk também poderá ser Super Dragão.

Um abraço, http://varanda-do-dragao.blogs.sapo.pt/

ninja disse...

Sem dúvida que Hulk também merece ser Super Dragão. Estive indeciso entre os dois, mas escolhi o Falcao pelo golo decisivo e pela foram brava como lutou criando vários espaços bem aproveitados pelo nosso ataque.

Abraços